1.20.2005





Musica: Clinic
Foto: Ilona Wellmann

12 comments |

1.18.2005



-“Não gosto do cheiro dos seus sorrisos, mas as máscaras insistem em se cruzar no meu caminho. Cheiram à podridão dos tripés andantes onde assentam. Não sentes? Olha aquela, na mesa lá do canto, repara na maneira como ela olha para a amiga, achas que sorriem amizade dos lábios dela?”

-“Isto é um jogo, só tens de pensar assim, não são máscaras, são armaduras.”



Musica: Nine Inch Nails

Foto: Wim Jenniskens

8 comments |

1.17.2005

Como se diz, e muito bem, mais vale tarde que nunca.

No dia 25 de Dezembro eu queria colocar um post com os comentários à minha pergunta,

“ Onde estão os sorrisos?”.

Entretanto, nesses dias, fiquei doente, de cama, e não deu para o fazer.
Aqui fica a ideia do que era para ser.







(João)

onde estão os sorrisos.

apetece-me vigiar a orla. do mar. para ver se os encontro nalguma onda.
apetece-me. controlar. a raiva no olhar para ver se encontro alguma mágoa.

e os sorrisos.

estão onde não estão. todas as palavras do mundo não são suficientes para escrever. um.






(Tenjina)

Deixaram-nos cair pela chaminé... queimados pelo fumo são negros e obscuros os sorrisos que encontrei nas cinzas da lenha que queimava... criando um calor mentiroso... como a tua voz que me atirou com aqueles sorrisos... numa tentativa de remediar o mal que provocaram...
Neste Natal também tive sorrisos... e desta vez tentaram sarar as chagas da dor de outrora... tentaram queimar as dores para que estas deixassem de consumir os sorrisos como quem consome cigarros... num vício incontrolável!!
Re-encontrei-te e contigo trouxeste os sorrisos, embrulhados em papel seda... suaves como os teus dedos compridos que seguram o estremecimento da minha alegria...
Contigo re-encontrei o sorriso que brilhava no meu rosto quando sentia o calor verdadeiro da tua presença em mim... contigo tirei o ar seco e duro da face... e tornei-a alegre e brilhante... SORRIDENTE...

Neste Natal tive sorrisos embrulhados em papel seda... suave como tu... suave como o nosso amor!!






(Hipatia)

Talvez os sorrisos persistam em quem escolhe (ainda) vê-los. Vê-los apesar de ser Natal; vê-los apesar de todo o frio, todos os esquecimentos, todas as margens. Vê-los apenas...






(Almaro)

Os sorrisos têm a suave magia de nunca serem velhos e de se esconderem no olhar. Escondem-se no olhar para se renovar nas cores e no sentir…
Um sorriso é composto por um beijo, um olhar e uma carinho, e só depende de nós para existir um sorriso, novo todos os dias…






(David Mourão-Ferreira)

"Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se seja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós contigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo a Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Natal retome a cor do Infinito"





Musica: Windespread


Fotos: Debe Hale

3 comments |

1.14.2005



Onde estou é uma ilusão óptica de onde devia estar.



O irreal está tão perto e tão longe, quanto a minha cópia está reflectida no espelho do real.



A minha ansiedade desfoca o espaço vazio, com um sopro ardente que se entranha na pele.



Escolho a imagem do outro lado, fazendo cambalhotas irreais com o real da minha vida.



E a ilusão óptica continua, enquanto o sono não chega.




Musica: Mogwai


Fotos: Keith Sharp

7 comments |

1.13.2005




...não deixes que essas gotas pautadas pela rotina
sejam o sol dos teus dias.


Musica: Eels

Foto: Armando Torres Rodríguez

7 comments |

1.11.2005



Trapézio sem rede.
A queda é iminente,
Tu sabes.
Já não te basta teres uma vida vertiginosa,
Ainda complicas.
O pior é que tu sabes,
Tens perfeita noção disso.
Balanças-te e embalas-te,
Nesta lenga-lenga maldita.
Podes sempre escolher outra modalidade.
O cabo,
Ao menos sempre avanças,
Não estás sempre no mesmo lugar.

O cabo sem rede.
A queda é iminente,
Tu sabes.
Segues pé ante pé,
Como se o ultimo passo fosse o primeiro…

Entre dois passos tudo muda,
Tudo acaba,
Tu sabes.
Sem rede é sem sonhos,
Sem um futuro à tua frente.
Podes sempre voltar para trás,
Começar tudo de novo.
Ao menos tens uma segunda oportunidade.
Melhor isso que nada,
É o teu conforto,
Tu sabes.

E o medo devora-te o corpo,
Len-ta-mente,
Até ficares sem forças,
E te deixares cair,
Tu sabes…


Musica: Ad

Foto: Ana Luisa Rodrigues

6 comments |

1.08.2005



Os olhos que já não te vêem
assentam num rosto gélido
com um sorriso dado
perdido na floresta do tempo

O vento arrastou-me para novos portos
de luz clara e águas quentes
que enxugam as lágrimas

Que mais te posso dizer
quando a minha boca me trai
tudo é tão diferente agora

Teu olhar permanece no meu peito
tormenta a calmaria
e eu olho-te em pensamentos
com os olhos que já não te vêem.


Musica: Requiem For a Dream

Foto: { Research center }



8 comments |

1.06.2005



Coreografa muitos sorrisos em 2005


Musica: Jamie Cullum


Foto: éme

7 comments |